Baixe nosso App Gratuito

Agito Cultural Zona Norte
Powered by Conduit Mobile

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Quem vai, é Silva no coração!


PROGRAME-SE Como evitar filas na mostra de OSGEMEOS

PROGRAME-SE

Como evitar filas na mostra de OSGEMEOS

Exposição recebe 1.500 pessoas por dia e visitante espera até 40 minutos para entrar; veja os melhores horários de visita

11.jul.2014 | Atualizada em 15.jul.2014 por Redação VEJASAOPAULO.COM
De terça a sábado, um aglomerado de pessoas se forma na entrada do Galpão Fortes Vilaça, na Barra Funda, para ver a exposição A Ópera da Lua. Telas, instalações e vídeos da dupla de artistas OSGEMEOS estão em cartaz no espaço.

Cerca de 19 000 pessoas já visitaram a mostra em duas semanas. A abertura ocorreu em 29 de junho.
Quem opta por fazer o passeio à tarde, após as 13h, pode enfrentar filas que chegam a 40 minutos. A melhor opção, segundo os organizadores, é ir nos primeiros horários, entre as 10h e as 11h, quando a procura é menor.
Evitar os fins de semana também é uma boa dica. Prefira fazer a visita às terças e às quartas-feiras. A maior parte do público é composta de jovens, mas também há crianças que ficam encantadas com as cores e as criaturas amarelas da dupla.
A cena mais comum no interior são visitantes com celulares à mão, registrando cada canto, ou posando para selfies.

PROGRAME-SE Kusama no Tomie Ohtake: melhores horários de visita

PROGRAME-SE

Kusama no Tomie Ohtake: melhores horários de visita

A exposição da artista japonesa entra na sua última semana; veja como evitar as maiores filas

23.jul.2014 por Redação VEJASAOPAULO.COM
Chega ao fim neste domingo (27) a exposição Yayoi Kusama - Obsessão Infinita, em cartaz no Instituto Tomie Ohtake. Quem ainda não viu os trabalhos da artista japonesa ou pretende revê-los deve se planejar para evitar as imensas filas que se formam em frente ao prédio.

O melhor, segundo os organizadores do evento, é chegar ao local no início do dia, até as 10h, uma hora antes da abertura da mostra. Fazer a visita durante a semana, até sexta (25), também é uma boa alternativa para aliviar um pouco a espera. Neste sábado (26) e no domingo (27), as filas de entrada podem durar até três horas.
Atenção: apesar de o horário de funcionamento se estender das 11h às 20h, os funcionários do local não permitem a entrada do público após as 18h. A medida foi tomada porque a visita aos ambientes internos, onde também há filas para ingressar nas salas, dura em média duas horas.
Desde o dia 22 de maio, quando foi aberta a retrospectiva, já passaram peloTomie Ohtake mais de 500 000 pessoas.

Prêmio Shell de Teatro divulga indicados no primeiro semestre de 2014 em São Paulo

NOTÍCIAS

23/07/2014

Prêmio Shell de Teatro divulga indicados no primeiro semestre de 2014 em São Paulo

O 27º Prêmio Shell de Teatro divulgou ontem (22) os indicados no primeiro semestre de 2014 em São Paulo.

O grande destaque foi a peça “Trágica.3 – Electra Medéia Antígona”, que recebeu indicações em cinco categorias: atriz, direção, figurino, iluminação e música. “Assim é (se lhe parece)” também agradou e conquistou três indicações (ator, direção e iluminação).

Vários dos artistas que tiveram seus trabalhos reconhecidos têm alguma relação com a SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco. A própria “Trágica.3”, por exemplo, que é assinada por três nomes: Heiner Muller, Caio de Andrade e Francisco Carlos. Este último cumpriu residência artística entre 2013 e este ano na Escola.

“Trágica.3” (Foto: Divulgação)

“Os que vêm com a maré”, que rendeu indicação a Sérgio Roveri, foi dirigido por três artistas que têm forte relação com a Escola: Maria Alice Vergueiro, que cumpriu residência artística na Instituição; Fernando Neves, artista residente; e Rodolfo García Vázquez, coordenador do curso de Direção. Além disso, o elenco conta com dois colaboradores da Instituição: Dione Leal e Ricardo Pettine.

Caetano Vilela foi lembrado pela iluminação de “Assim é (se lhe parece)”. O artista acaba de orientar na Escola o curso de Extensão Cultural “Iluminação para além do teatro”. “Vidas privadas” tem no elenco Lavinia Pannunzio, que já ministrou aulas na Instituição e orientou aprendizes no Experimento do primeiro semestre deste ano. 

O projeto “Vira-latas de aluguel” apontou como “Inovação”. O trabalho desenvolvido na comunidade de Heliópolis foi concebido e dirigido por Daniel Gaggini, que foi eleito Personalidade do ano no Prêmio Acessibilidade 2013, promovido pela Escola.

Confira, abaixo, a lista completa:

Autor:
Leonardo Cortez por “Madito benefício”
Sérgio Roveri por “Os que vêm com a maré”

Direção:
Guilherme Leme por “Trágica.3 – Electra Medéia Antígona”
Marco Antônio Pâmio por “Assim é (se lhe parece)”

Ator:
Roney Facchini por “Ou você poderia me beijar”
Rubens Caribé por “Assim é (se lhe parece)”

Atriz:
Clara Carvalho por “Ou você poderia me beijar”
Denise Del Vecchio “Trágica.3 – Electra Medéia Antígona”

Cenário:      
Marco Lima por “Vidas privadas”
Zé Valdir e Marcelo Lazzaratto por “Maldito benefício”

Figurino:
Gabriel Villela e José Rosa por “Um réquem para Antonio”
Glória Coelho por “Trágica.3 – Electra Medéia Antígona”

Iluminação: 
Caetano Vilela por “Assim é (se lhe parece)
Tomás Ribas por “Trágica.3 – Electra Medéia Antígona”

Música:       
Fernando Alves Pinto, Letícia Sabatella e Marcello H por “Trágica.3 – Electra Medéia Antígona”
Jonatan Harold por “Florilégio musical II, nas ondas do rádio”

Inovação:
Projeto Vira-Latas de Aluguel pela projeção, capacitação e acessibilidade da linguagem teatral na comunidade de Heliópolis.

Ficar de Olho que Sábado Tem Estréia: Cacilda!!!!! A Rainha Decapitada

Cacilda!!!!! A Rainha Decapitada
o novo musical dirigido por José Celso Martinez Corrêa faz Cacilda Becker reinventar-se no Teatro, na sua vida pessoal e no imaginário do rico universo do Oficina.
O fim da paixão entre Cacilda Becker e Adolpho Celi, que foi o principal motor da criação do TBC, move este percurso inédito no labirinto da “ODISSEIA das CACILDAS!!!!!!!!!”.
Com patrocínio da Petrobras, Cacilda!!!!! A Rainha Decapitada estreia no dia 26 de julho no Teat(r)o Oficina (rua Jaceguai, 520, São Paulo), ficando em cartaz até 14 de setembro, sempre aos sábados e domingos, às 19h.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Corra e venha fazer cursos conosco!!!! Faça sua reserva Já - PROMOÇÃO INDIQUE UM AMIGO: Indicando um amigo você ganhará desconto na mensalidade de $30 Reais!!!

Corra e venha fazer cursos conosco!!!! Faça sua reserva Já.

PROMOÇÃO INDIQUE UM AMIGO:
Indicando um amigo você ganhará desconto na mensalidade de $30 Reais!!!


Turmas iniciando em Agosto/14

Teatro:
Turmas Iniciantes Mod I, II, III, IV, (neste visualizo que a cada semestre um professor com uma linha e um método diferente será bem bacana)
Turmas kids, (Ministrado Poliana Pitteri)
Turmas Adolescentes, (Ministrado Poliana Pitteri)
Curso de Direção, (Ministrado Carlos Meceni)
Curso de Dramaturgia, (Ministrado Edson Mendez)
Curso de Produção Teatral, (Ministrado Pedro Zacarias)
Curso de Figurino, (Ministrado Patricia Lago)
Curso de Cenário. (Ministrado Patricia Lago)

Faça já sua reserva pelo email academiaagitoculturalzn@gmail.com

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Espetáculo Entre Amigas - Piccolo Teatro


Com inicio providencial a peça já puxa  a plateia emotivamente com a música, “Canção da América”, do Milton Nascimento, antes mesmo de começar a peça já começa a mostrar para onde irá conduzir,  o prazer der assistir o espetáculo Entre Amigas, com dramaturgia e direção de Edson Mendez, com as atrizes Paula Crispin, Aline Cunha, Letícia Assis e Val Marques, é simples em descrever ele, hoje onde está em voga o entretenimento barato e medíocre é ter o prazer de encontrar pequenos oásis dramatúrgicos na cidade de São Paulo, onde não está em questionamento a situação mesquinha de mercado cultural e sim é realizado uma ode ao amor, uma vertente que a muito está perdida o amor amigo e em tempos que há dia para tudo nessa vida, coincidentemente  por esses dias comemorou-se “O dia do amigo”, mas quantos amigos de verdade levamos hoje por toda a vida?!
O belo espetáculo onde senti a penas a falta de poeira de palco em alguns minutos possui algumas nuances e detalhes cênicos, muitas vezes até imperceptíveis a olhos nus, precisa—se de está com a alma aberta para percebê-los,  A peça nos leva  para o mundinho particular da amizade de 04 amigas de infância e que trafega entre as décadas vividas entre as personagens. Desde os conflitos infantis de troca de bonecas, aos primeiros beijos, flertes e paixonites até os cigarros escondidos da mãe na adolescência, o ingresso na faculdade das quatro jovens amigas, o medo da separação, o pacto de amizade eterna entre as garotas. O desenlaces de cada conflito vivido pelas  personagens é costurado com uma trilha sonora que nos leva a memória auditiva de cada década e fase das amigas, fazendo com que a plateia se encontre no  pano de fundo da história  é salutar afirmar que o trabalho de concepção do figurino corrobora para a plateia visualizar as fases que o autor trabalha.
Há de evocar aqui o trabalho da direção e da expressão corporal do elenco.   Confesso que houve momento que preferia o silêncio cênico das personagens e de vê taças de vinho corretas para o brinde mas isso são apenas miudezas desse que vos escreve, confesso que a peça está tão harmoniosa que miudezas são até supérfluas dentro do encantamento e beleza do texto, o conjunto da obra de Edson Mendez, emociona e comove e faz com que a plateia reflita no extrato real do valor do amor e da amizade que hoje tornou-se quase que praticamente amizades ralas e virtuais e o homem moderno muitas vezes não experimentou e nem irá infelizmente saber o quanto é fundamental tais sentimentos.
Me fez pensar ao fim e no meios as minhas lágrimas se a minha filha irá ter o prazer de sentir tais sentimentos com amigas de infância.
Fiquei tão perplexo com a história e extasiado que não consegui levantar para aplaudir de pé costume hoje usado também tão banalmente.
Não quis falar com o Edson, no final do espetáculo sobre o espetáculo, pois necessitei da antropofagia  pessoal com o texto dele e absolver a todas as sensações que na enxurrada  de sentimentos  que fui submetido naqueles minutos de espetáculo.
A de se questionar porque espetáculos como esses ainda possuem uma plateia tão tímida e porque as caravanas de ônibus vindas do interior não fazem filas para comprar ingressos de espetáculos como esses?
Que os veículos da mídia de massa não pautam e cobrem uma programação cultural dessas...
Há uma frase célebre de um de nossos dramaturgos brasileiros que vem a calhar nesse caso e devo concordar “Toda unanimidade é burra”, Edson não é Nelson Rodrigues, mas é correto afirmar que está trilhando um belo caminho dramatúrgico também e um dia iremos falar seu nome como dramaturgo importante brasileiro, trazendo para os leitores brasileiros a sutileza humana, perdida já a algum tempo por nós.
 SERVIÇO:
Entre Amigas
Gênero:Humor
Duração/Recomendação: Classificação : 12 anos.
Elenco/Direção: Direção: Edson Mendez. Interpretação: Paula Crispin, Aline Cunha, Letícia Assis e Val Marques.
Datas/Temporadas: Temporada: até 29 de Agosto
Sessões: Sextas, às 21h
Onde: Piccolo Teatro 
Na Bilheteria:
R$ 30,00

Sinopse: A história tem como mote principal a amizade, e até que ponto ela sobrevive às questões que a vida nos apresenta.
A peça conta a história de Nina, Bia, Carmem e Lia, que se conhecem ainda crianças, na década de 1950. Vestidas  com trajes que remetem à época, as personagens em cada cena evoluem na relação, de um simples convívio de infância a uma amizade profunda. Entre uma e outra fase da vida, elas vivem diferentes situações: das descobertas na adolescência, aos problemas da vida adulta. Em meio aos percalços naturais, o que une as quatro garotas é a amizade, o elo e o foco principal da peça.Ao arrancar risos, lágrimas e aplausos da platéia, o espetáculo é uma mistura de sentimentos, que remete o espectador ao seu próprio passado e o faz pensar em seu futuro e no verdadeiro sentido da vida.


quarta-feira, 16 de julho de 2014

Academia Agito Cultural Zona Norte - Abre Inscrições para seus cursos de teatro


Venha ser um de nossos alunos!
Turmas para o segundo semestre início Ago/14

Teatro: Turmas Iniciantes Mod I, II, III, IV, Turmas Kids, Turmas Adolescentes, Curso de Direção, Curso de Dramaturgia, Curso de Produção Teatral, Curso de Figurino, Curso de Cenário.
Faça já sua reserva pelo email academiaagitoculturalzn@gmail.com
 Vagas Limitadas!
Acesse o link:
http://shoutout.wix.com/lp/641f3ba5-04b4-47c5-8ef0-4253f2dc8888#/main

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Morre Maria Duschenes, pioneira da dança moderna no Brasil

Morre Maria Duschenes, pioneira da dança moderna no Brasil

Nascida na Hungria, Maria Duschenes mudou-se para o Brasil em 1940. A partir de então, destacou-se como educadora e pioneira na difusão dos ensinamentos do revolucionário pesquisador Rudolf Laban (1879-1958). Personalidade que marcou a evolução da dança moderna no Brasil, Duschenes influenciou gerações de artistas brasileiros da dança e também do teatro. Ela faleceu dia 5 de julho (sábado), aos 92 anos, no apartamento onde estava vivendo, no Guarujá (SP).
Quando jovem, ainda vivendo na Europa, Maria Duschenes conviveu com personalidades-chaves da arte moderna. Dos 11 aos 15 anos, ela teve contato com a metodologia do músico e pedagogo suíço Emile Jacques Dalcroze (1865-1950), na escola onde estudou, sob direção de Olga Szent Pál. O método de ensino da rítmica concebido por Dalcroze influenciou não só Maria Duschenes, mas também vários outros artistas pioneiros da dança moderna, como Mary Wigman e Martha Graham. Mesmo Nijinsky utilizou a rítmica de Dalcroze para decodificar A Sagração da Primavera, a música de Stravinsky que ele coreografou e transformou em um dos espetáculos mais impactantes do início do século 20.  
Na época em que se formou na metodologia de Dalcroze, Maria Duschenes teve aulas de dança clássica com Aurélio Milloss (1906-1988), o coreógrafo italiano que em 1953 veio para o Brasil, para dirigir o Ballet do IV Centenário. Depois, aos 15 anos, Duschenes ingressou na Dartington Hall School, a renomada escola de arte situada no sul da Inglaterra, onde foi aluna de Rudolf Laban, de Kurt Jooss (que também se notabilizou como criador do célebre balé A Mesa Verde) e de Sigurd Leeder.
Quando estabeleceu-se no Brasil, Maria Duschenes passou a difundir conhecimentos novos, que contribuíram decisivamente para a evolução da dança no País. De Klauss Vianna a Juliana Carneiro da Cunha, de Denilto Gomes a Maria Mommensohn, dona Maria (como era carinhosamente chamada por seus alunos) influenciou inúmeros artistas brasileiros, transformando mentalidades e abrindo novas possibilidades para a dança.
Além de trabalhar com artistas brasileiros importantes, Duschenes também desenvolveu um expressivo trabalho educativo com crianças. Nas décadas de 1970 e 1980, em um projeto ligado às Bibliotecas Infanto-Juvenis de São Paulo, ela desenvolveu danças corais baseadas em Laban, com a proposta de democratizar a dança, tornando-a acessível a todos.
Como Laban, Maria Duschenes ensinava uma dança capaz de restituir a relação do ser humano com o cosmos. “Com a dança a gente fala com o mundo”, ela dizia. Por causa de algumas limitações de movimentos causadas pela poliomielite que teve aos 22 anos, Duschenes dedicou-se mais ao ensino e à coreografia. A partir de 1999, acometida do mal de Alzheimer, ela foi deixando progressivamente de trabalhar.
Domingo, 8 de julho de 2014, um dia após sua morte, o neto de Maria Duschenes, Daniel, escreveu: “Minha avó tinha um dom especial: ela era uma transformadora de pessoas. Quem teve o privilégio de conhecê-la sabe dessa força que emanava dela. Ontem, em sua cama no apartamento em que vivia no Guarujá, Maria faleceu. Sem alarde, ela se libertou enfim do corpo inerte a que o mal de Alzheimer a havia confinado por muitos anos. Agora, enquanto a matéria se dissipa e volta a dançar a dança dos átomos do universo, seu espírito se projeta em nós, para sempre, transformador. Viva Maria Duschenes!”.
Viva!